Samuel Eto´o, atacante do Barcelona, acusou seu treinado, o holandês Frank Rijkaard, de ser "mau caráter" por haver anunciado publicamente seu desejo em não entrar em campo nos últimos minutos na vitória da equipe catalã sobre o Racing de Santander por 2 a 0, no último domingo, pelo Campeonato Espanhol.

Além do técnico, o camaronês também não perdoou o brasileiro Ronaldinho Gaúcho, que havia dito que Eto´o deveria pensar mais no grupo e menos em si. "Se um companheiro diz que é preciso pensar no grupo, quem deve fazê-lo é ele", falou.

O atacante africano deu as declarações em Vilafranca del Penedes centro de treinamentos do Barça e também afirmou que "há uma guerra interna no clube", entre os partidários do presidente Joan Laporta e do ex-vice de esportes Sandro Rosell.

Longe de querer apagar o incêndio criado com o acontecido no domingo, Eto´o disparou: "É mau caráter quem fala para a imprensa que eu me neguei a jogar. Eu sempre ajudei meus companheiros e sigo de cabeça erguida", atacou o jogador, que ficou sem jogar por cinco meses devido a uma operação no joelho.

Antes das declarações bombásticas do camaronês, Laporta saiu em defesa do atacante e tentou minimizar a polêmica envolvendo Eto´o e Rijkaard. Segundo o dirigente, o jogador não entrou em campo contra o Racing, no último domingo, por questões físicas.

"O joelho dele ainda não está totalmente recuperado, é necessário mais tempo. Por isso, ele preferiu ser cuidadoso. Ele não fez nada de inapropriado ou errado. Não faz sentido dizer que o Eto´o se recusou a jogar pelo Barcelona", comentou o dirigente.