A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que apura denúncias de compra de votos deve ouvir amanhã (20) o ex-assessor parlamentar do PP, João Cláudio Genu.

De acordo com a lista apresentada pelo empresário Marcos Valério de Souza, Genu teria sacado R$ 4,1 milhões de 17 de setembro de 2003 a 5 de julho de 2004. À Polícia Federal, Genu afirmou que o dinheiro era repassado ao líder do partido na Câmara, José Janene (PP-PR), e ao presidente do PP, Pedro Corrêa (PE). O ex-assessor parlamentar disse que o dinheiro era recolhido em pastas "tipo 007 e levado à sala da presidência do PP, no edifício do Congresso Nacional". Genu afirmou que "isso aconteceu tantas vezes, que perdeu a conta".

Amanhã (20), a CPI deve escolher também o vice-presidente da comissão. O cargo era exercido pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS), que se afastou após ter "pego carona" com Marcos Valério depois do depoimento do empresário à comissão.

Alguns integrantes da comissão da Compra de Votos devem acompanhar o depoimento em outras CPIs como o do doleiro Antônio Oliveira Claramunt, o Toninho da Barcelona, que depõe nesta terça-feira na CPI dos Bingos. Além disso, os integrantes da CPI da Compra de Votos vão ouvir junto com a comissão dos Correios Daniel Dantas, dono do Banco Opportunity.