Pela primeira vez neste ano, o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) relativo ao terceiro trimestre de 2004 registrou crescimento de 5%, em relação ao período anterior. Nos dois trimestres deste ano, o índice tinha apresentado recuo. O Inec superou também em 0,4% o mesmo trimestre do ano anterior, e chegou a 103,03 pontos. Este aumento indica que os consumidores estão sentindo os efeitos do reaquecimento da economia. A apreensão sobre a evolução do emprego e a trajetória da inflação, principais responsáveis pelo recuo do índice anterior, apresentaram forte melhora.

Os oito indicadores que compõem o Inec registraram aumento na comparação com o trimestre anterior. A melhor percepção das condições de emprego e inflação são os destaques da pesquisa. De acordo com o coordenador da Unidade de Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca, o interesse do estudo é detectar o que o consumidor está sentindo na prática. ?Captamos o que o consumidor sente quando ele vai às compras, quando olha o contra-cheque e quando verifica que está empregado e não tem muito risco de perder o emprego?, explica Fonseca.

?A inflação foi outra variável que obteve melhora significativa, o que não significa que a situação esteja excelente?, alertou Fonseca. O indicador referente à inflação aumentou 8,6% em relação ao trimestre anterior. O consumidor demonstrou também preocupação com a trajetória da inflação, 50% das respostas indicam aumento da expectativa de inflação e apenas 17% registraram redução.

O Inec, no entanto, se manteve praticamente estável, se comparado a setembro de 2003, com crescimento de apenas 0,4%. Nesta comparação, há grande melhora na expectativa do emprego, mas há deterioração na trajetória de inflação esperada, assim como da renda em geral, que se refletiram ainda na perspectiva para o ano. Os outros indicadores apresentaram relativa estabilidade.

A pesquisa foi feita pelo Ibope, a pedido da CNI. Foram ouvidas 2002 pessoas em todo o país, durante os últimos três meses.