Porto de Paranaguá: batendo recordes.

O movimento de carga geral pelo Porto de Paranaguá nos primeiros oito meses do ano foi 32% superior ao verificado em igual período de 2003. De acordo com dados divulgados ontem pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), o resultado de 2004 ficou em 4,4 milhões de toneladas movimentadas, entre embarques e desembarques.

“O incremento observado nesse período assinala um novo recorde no Porto de Paranaguá”, informa o superintendente Eduardo Requião. O resultado, acrescenta, é importante também porque garante a manutenção de milhares de empregos. “A movimentação de carga geral é a que mais ocupa portuários, já que a operação é toda manual.”

Ao todo, calcula a Appa, o setor gera 6 mil empregos. O segmento de carga geral engloba produtos como café, madeira, algodão, papel e congelados. Para se ter uma idéia da importância das operações com carga geral, só no embarque de um navio com madeira são empregados cerca de 350 trabalhadores, divididos em escalas.

Algodão

Dentro desse segmento, o algodão é um dos produtos que vêm ganhando destaque. De janeiro a agosto foram exportadas 42,7 mil toneladas do produto, enquanto que no mesmo período do ano passado foram 26,9 mil toneladas.

Estimativas da Associação Mato-grossense de Produtores de Algodão (Ampa) dão conta de que neste ano a maior parte das 450 mil toneladas produzidas no País será exportada pelo terminal paranaense. Esse incremento na produção, revela a Ampa, fez com que empresários do setor percorressem portos brasileiros em busca de canais para escoamento de suas produções.

“O Porto de Paranaguá apresentou-se como a melhor alternativa para exportação do algodão, em virtude de diversas características, como maiores condições de armazenagem na retroárea e as perspectivas de ampliação”, analisa Décio Tocantins, presidente da Ampa.

Terminais

Nos últimos 20 meses, o Porto de Paranaguá destinou boa parte de seus projetos para o segmento da carga geral, através da instalação de terminais específicos para essas mercadorias. “É o que ocorre na movimentação de fertilizantes, de madeira, de couro e algodão”, exemplifica Eduardo Requião

Ontem, cinco navios estavam atracados no terminal paranaense, movimentando carga geral. Dois são para carregamento de madeira, um para embarque de papel, outro para exportação de congelados e um para embarque de açúcar ensacado. Outros cinco navios estão ao largo esperando para atracar e carregar mercadorias do segmento.