O Paraná registrou recorde nas exportações no ano passado. Foram US$ 10 bilhões em 2005, com um crescimento de 6,6% em relação às vendas ao mercado externo registradas em 2004, quando o Estado exportou US$ 9,3 bilhões. As importações de janeiro a dezembro de 2005 totalizaram US$ 4,5 bilhões o que gerou um superávit na balança comercial de US$ 5,4 bilhões.

De acordo com a análise do Centro Internacional de Negócios (CIN), do Sistema Federação das Indústrias do Paraná, os produtos industrializados vêm ganhando força na pauta de exportações e, por isso, mesmo num ano em que o setor agrícola foi prejudicado com o câmbio desfavorável, o Estado conseguiu um bom resultado com as exportações graças à competitividade do produto industrializado.

?Embora a agricultura ainda seja muito importante para a economia do Estado, o Paraná já não é mais tão dependente da produção primária?, destaca Henrique Santos, coordenador do CIN. Segundo ele, esta situação não é sazonal e mostra uma tendência de crescimento da participação dos produtos com maior valor agregado nas exportações do Paraná. ?A queda do dólar comprometeu a rentabilidade de alguns setores, especialmente, os ligados à agricultura, mas mesmo assim o faturamento geral das exportações teve um crescimento expressivo?, destacou Santos.

Os produtos com maior valor agregado vem ano a ano ganhando destaque. Para o secretário estadual da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho, investir na industrialização garante mão-de-obra especializada. ?Passa a ser possível manter o homem no campo e proporcionar qualidade de vida por todo o Estado?, avaliou. Ainda segundo o secretário, nos últimos 10 anos, por exemplo, a exportação de industrializados passou de US$ 2,1 bilhões para US$ 6,6 bilhões. ?No período, a participação dos produtos processados no total das exportações cresceu de 59,14% para 65,76%?, acrescenta.