Uma das formas de medir o impacto do programa Luz para Todos na economia brasileira pode ser a produção de condutores elétricos e aparelhos, segundo levantamento do Ministério de Minas e Energia. Desde que teve início, em 2003, o programa instalou 673 mil postes, 106 mil transformadores e 248 mil medidores de energia.

De acordo com números do Sindicato da Indústria de Condutores Eletricos, Trefilação e Laminação de Metais Não Ferrosos do Estado de São Paulo (Sindicel), o Luz para Todos deverá elevar a demanda dos fabricantes em 48% este ano. Para 2006, esperam uma alta de 39%.

O programa é coordenado pelo Ministério de Minas e Energia e pela Eletrobrás e realizado em parceria com os governos estaduais, concessionárias de energia elétrica e cooperativas de eletrificação rural.

Por ter os maiores índices de exclusão elétrica, a região mais atendida é a Nordeste, onde cerca de 100 mil famílias foram beneficiadas. Em seguida, vêm o Norte, o Centro-Oeste, o Sudeste e o Sul.