O presidente da Fumpar (Federação dos Municípios do Paraná), o prefeito de Arapongas, Beto Pugliesi, disse ao governador Roberto Requião e aos prefeitos da Amuvi ? Associação dos Municípios do Vale do Ivaí, presentes num encontro com o governador Roberto Requião na noite de quinta-feira que a entidade que representa é totalmente contra a privatização dos portos do Paraná, porque ?são propriedades do Estado e do povo do Paraná?.

Segundo ele, a Amepar ? Associação dos Municípios do Médio Paranapanema, entidade que também preside, igualmente não aceita a idéia de transferir para a União a responsabilidade dos portos de Paranaguá e Antonina, porque o atual governo do Estado já demonstrou que tem capacidade para continuar administrando-os.

?E isso ficou claro para mim, pois fiquei cerca de 17 meses como chefe de gabinete da Secretaria dos Transportes e pude ver que o Porto de Paranaguá, na administração passada, era insolvente e insolúvel, porque era emperrada. Basta ver que esse ano exportamos tanto quanto o ano passado e não se viu nenhuma notícia sobre filas de caminhões, o que era bastante comum antes?.

O presidente da Fumpar fez questão de destacar também a atuação da Claspar no trabalho rápido e eficiente na classificação dos produtos que são exportados pelo porto de Paranaguá. ?E isso tem sido importante para garantir a qualidade dos produtos paranaenses, mantendo-os livres dos trangênicos.

A soja trangênica uma vez lançada no ?Silão? contamina a soja pura. Assim, quando o superintendente do porto, Eduardo Requião, briga por isso, está absolutamente certo, porque estamos exportando qualidade?.

Os deputados que lutam pela privatização dos portos foram duramente criticados por Beto Pugliesi, porque ?nunca plantaram nada, nunca viram uma semente germinar, e agora vem com a conversa de que o nosso porto deve ser federalizado e, depois, privatizado. Eles fazem parte do time que vendeu o Banestado e que queria vender a Copel e a Sanepar. Esse é o time que não serve o Paraná e sim a outros interesses?.