A Confederação Nacional do Transporte (CNT) estima que a solução dos gargalos físicos e operacionais que comprometem a eficiência das ferrovias brasileiras demanda investimentos totais de R$ 4 192 bilhões.

Segundo o presidente da seção ferroviária da CNT, Rodrigo Vilaça que também é diretor da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), esses investimentos teriam que ser feitos permanentemente pelo poder público, principalmente na solução de problemas, como a remoção de moradores que invadem a faixa de domínio das ferrovias.

Mas outras obras para resolver os gargalos, na avaliação da CNT, poderiam ser feitas por meio de Parcerias Público Privadas (PPP) como é o caso do tramo Norte do Ferroanel de São Paulo, que demandaria R$ 850 milhões. A CNT considera eliminação de gargalos tanto a construção de contornos ferroviários como a sinalização de passagens de nível, que são pontos onde as ferrovias cruzam rodovias.

A pesquisa da CNT também estima que para os próximos anos são necessários investimentos de R$ 9,413 bilhões na expansão da malha ferroviária. Esse montante já inclui os R$ 7,8 bilhões destinados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para o setor. Entre as obras listadas pela CNT estão a nova Transnordestina e a ampliação em 840 quilômetros da malha de Santa Catarina.