O valor bruto da produção de flores, mudas e plantas ornamentais foi de R$ 22 milhões em 2002. Em 2003 esse número chegou a R$ 33,4 milhões, representando um aumento de 15,4%. Segundo a chefe da divisão de estatística básica do Departamento de Economia Rural (Deral), Gilka Cardoso Andretta, o mercado paranaense é praticamente abastecido por São Paulo. “O produtor de flores paranaense tem um grande mercado dentro do próprio Estado”, confirmou Gilka.

A produção de flores é uma atividade que utiliza um espaço pequeno e gera muitos empregos. Cada hectare de flor plantado gera de 10 a 12 empregos diretos enquanto que para cada hectare de soja é gerado apenas 0,2 emprego. No cultivo de tomate esse número sobe para 0,7.

A floricultura exige uma plantação diversificada, cuidados permanente e o emprego de tecnologia de ponta. Além disso, o produtor tem retorno a médio prazo. A renda bruta por hectare varia de R$ 50 mil a R$ 100 mil. Segundo dados da Secretaria da Agricultura, os municípios de destaque na produção de flores são Curitiba, São José dos Pinhais, Ponta Grossa, Cascavel e Guarapuava. As flores mais produzidas são as ornamentais, além do crisântemo de vaso, do beijo americano e do crisântemo em maço.