O presidente da Câmara, Severino Cavalcanti (PP), afirmou que foi uma medida de
"bom senso" o adiamento da votação da reforma tributária – de hoje para o dia
29. O adiamento foi decidido em reunião do ministro da Fazenda, Antonio Palocci,
com Severino, quatro governadores do Nordeste e os líderes partidários, no
Palácio do Planalto. No encontro, Palocci previu que o governo teria maioria
para aprovar a proposta hoje, mas alguns líderes, como o do PTB na Casa, José
Múcio (PE), disseram temer uma derrota. Segundo Severino, o prazo disponível até
o dia 29 servirá para se tratar da questão sem precipitação. "Se (a votação)
fosse hoje, havia chance de derrota", afirmou. "Queremos que o bom senso
predomine. Por isso a votação foi para o dia 29", justificou. Ele disse ainda
que manteve o deputado Virgílio Guimarães (PT-MG) como relator da reforma e
avisou que, com ou sem acordo, porá o projeto em votação no dia 29. "Voto de
qualquer maneira", afirmou.