A Força Sindical, segunda maior central sindical do país, criticou em nota assinada pelo seu presidente, Paulo Pereira da Silva, o novo salário mínimo de R$ 260. A central sindical cobrou “sensibilidade e respeito com os trabalhadores” e exigiu um aumento do mínimo para R$ 320. A integra da nota:

“A Força Sindical exige que o governo federal aumente o valor do salário mínimo para R$ 320. Nós defendemos este aumento porque esta é a única forma de o governo cumprir uma das promessas da campanha eleitoral, quando o então candidato Lula se comprometeu publicamente a dobrar o valor real do salário mínimo em 4 anos (na época, era de R$ 200). Para isso, o governo deve promover já neste ano um aumento de 33% no valor do salário mínimo. Apenas para dobrar o valor nominal do salário mínimo (desprezando a inflação do período), o governo precisaria promover um reajuste de 24,39% neste e nos próximos dois anos. Para que o aumento seja real, é imprescindível que o reajuste leve em consideração também a inflação anual – o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do IBGE, por exemplo. Os 33% equivalem, portanto, à soma do INPC acumulado de abril de 2003 até o mesmo mês de 2004, de 6,93%, com os 24,39%. O governo precisa ter sensibilidade e respeito com os trabalhadores. Um aumento digno para o mínimo é uma boa maneira de promover a distribuição de renda no país.”