Apesar de classificar como "um gesto interessante para a sociedade" o pedido de desculpas feito pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o "Paulinho", considerou o pronunciamento decepcionante porque não explicou as denúncias de corrupção.

"Fiquei bastante decepcionado com a fala do presidente porque imaginava que ele pudesse dar uma explicação lógica sobre a questão da corrupção. Além disso, o presidente deu alguns números que, na prática, a gente não está sentindo. Ele disse que o emprego tinha voltado a crescer, que a situação tinha melhorado e nós, na prática, temos sentido que o desemprego voltou a aumentar e não a diminuir", afirmou.

No pronunciamento à nação, Lula lembrou a geração de empregos com carteira assinada em seu governo.

"O que mais me orgulha, pela minha história e pelo compromisso que tenho com a gente humilde da nossa terra, é a forte retomada da oferta de trabalho. Em 30 meses já criamos 3 milhões, 135 mil novos empregos com carteira assinada. Isso significa 104 mil novas vagas formais por mês, 12 vezes mais que a média dos anos 90, sem falar nos postos de trabalho no mercado informal e na agricultura familiar", disse o presidente.

Paulinho disse que o presidente deveria responder às declarações do publicitário Duda Mendonça, feitas nesta quinta-feira, na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga denúncias de corrupção nos Correios. Duda admitiu em seu depoimento que, além de receber pagamentos em dinheiro do empresário Marcos Valério, recebeu depósitos em Bahamas, país caribenho que possui leis que o transformam em paraíso fiscal.

"Não só o Brasil, mas o mundo sabe, que o Duda foi contratado para eleger o Lula presidente da República e agora, a gente fica sabendo que os recursos que Duda recebeu eram de corrupção, inclusive com dinheiro fora do país, o que é muito grave. O presidente, no nosso ponto de vista, foi omisso nessa questão", afirmou Paulinho.