O Ministério da Previdência Social evitou que R$ 2,8 milhões caíssem nas mãos de fraudadores por meio de benefícios irregulares, entre janeiro e julho deste ano. O trabalho realizado pelas forças-tarefas durante os primeiros sete meses de 2004 suspendeu 7.358 benefícios irregulares.

A força-tarefa é uma equipe permanente, instalada na maioria dos estados e formada por especialistas do Ministério, do Ministério Público e da Polícia Federal. O objetivo é investigar crimes contra a Previdência Social.

No período entre janeiro e julho deste ano foram realizadas 1.059 diligências em todo o Brasil. Cerca de 277 ações de busca e apreensão e 163 pedidos de quebra de sigilo. Ocorreram também 73 prisões em flagrante e 45 prisões preventivas.

Em todo o ano passado, as forças-tarefas identificaram 11.243 benefícios ilegais, envolvendo um total de R$ 133,3 milhões. Com a identificação destas irregularidades, o governo conseguiu evitar que R$ 7,6 milhões fossem pagos a fraudadores.