O Fortaleza derrotou o São Paulo por 1 a 0, neste domingo, no estádio Castelão, em Fortaleza, e subiu para a 11ª colocação (55 pontos), que até o momento garante o time cearense na próxima edição da Copa Sul-Americana. O gol da vitória foi marcado pelo atacante Clodoaldo.

Por pelo menos 25 minutos, a partida serviu para alguma coisa para o São Paulo. Aos 20 minutos do segundo tempo, Amoroso saiu para a entrada de Grafite. Depois de exatamente 5 meses e 26 dias, o atacante voltou a participar de um jogo oficial ? a última partida havia sido contra o Tigres, nas quartas-de-final da Libertadores, no Morumbi.

Ele aproveitou a chance para mostrar que o joelho direito, que foi operado, está inteiro e em condições de reforçar o São Paulo no Mundial de Clubes, no Japão. "Estou muito feliz por ter voltado bem. Valeu pela garra, pela determinação. Não senti nada e agora é trabalhar o resto da semana para se preparar para o jogo contra o Atlético Paranaense", dizia Grafite, com um sorriso estampado de ponta a ponta.

O atacante nem precisou de muito tempo para mostrar a "fome de bola". Na primeira vez que foi acionado, Grafite cortou um marcador ? com direito a bola entre as pernas ?, caminhou até a entrada da área e bateu de esquerda. Muito torto, mas o suficiente para dar confiança ao jogador. Depois disso, Grafite ainda arriscou uma cabeçada e foi travado em outra tentativa de reencontrar o caminho do gol.

Talvez, se tivesse um pouquinho mais de sorte, poderia ter feito o gol que livraria o São Paulo da derrota, justamente na primeira das duas partidas que Paulo Autuori pretende usar para que o time titular volte a pegar ritmo, antes do torneio no Oriente.

Mas se depender deste domingo, Autuori tem motivos de sobra para se preocupar. Os jogadores provaram que a cabeça já está lá no Japão. Ninguém estava afim de muito futebol e menos interessado ainda em colocar o pé em uma dividida e correr o risco de uma contusão a essa altura do campeonato. Todos estavam com o "freio de mão puxado".

O único que trabalhou foi Rogério Ceni. E bastante. Não fosse ele, o São Paulo retornaria de Fortaleza com um resultado pior. Por três vezes, levou a melhor no cara-a-cara com os atacantes. Além disso, ainda teve tempo de ir ao ataque nas cobranças de falta ? a mais perigosa foi aos 2 minutos do 2.º tempo. Mas, aos 27, ele nada pôde fazer. Bola cruzada da direita, nenhum zagueiro para cortar e Clodoaldo apareceu a tempo de dar um toque, tirando de Ceni: 1 a 0.

Era tudo o que o Fortaleza queria para ultrapassar o São Paulo na classificação e ficar mais perto de uma vaga na Copa Sul-Americana. O São Paulo só quer o Mundial.