Os principais coordenadores da Frente Trabalhista (PPS, PDT e PTB) apostam no empenho do candidato a senador Leonel Brizola (PDT-RJ) para reaproximar o prefeito do Rio, César Maia (PFL), do candidato Ciro Gomes. Maia foi o responsável pelo apoio do PFL fluminense ao candidato José Serra (PSDB-PMDB). O prefeito do Rio esteve no PDT de Brizola e no PTB  partido pelo qual foi eleito em 2000, com apoio de Ciro. Depois da vitória, porém, Maia voltou ao PFL e afastou-se do candidato da Frente Trabalhista a presidente. Há dois anos, o prefeito reconciliou-se com Brizola, que o apoiou no segundo turno das eleições municipais. Desde então, os dois mantêm um bom relacionamento.

Na noite de sexta-feira (02), Maia recebeu para jantar em sua residência oficial, na Gávea Pequena, um dos coordenadores da campanha de Ciro, o professor Maurício Dias David. Os dois são economistas, amigos de longa data e viveram no exílio no Chile, no início dos anos 70. David também militou no PDT e foi um dos responsáveis pela entrada do prefeito na legenda. ?Só não falaríamos de política se cortassem a nossa língua e, mesmo assim, ia ser difícil?, diz David.

Os trabalhistas consideram que o canal com Maia está aberto, mas dizem que ele não deixará a campanha de Serra agora. Por outro lado, apostam que Maia não trabalhará contra o candidato da Frente Trabalhista e têm certeza de que estará com Ciro, se for confirmada a tendência de um segundo turno entre ele e o candidato da Coligação Lula Presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT-PL-PC do B-PCB-PMN).

Na conversa de sexta, Maia e David conversaram sobre o debate que aconteceria na noite de ontem (04). Segundo o prefeito pefelista, o professor quis ouvir Maia sobre a experiência nos confrontos desse tipo. ?Lembrei para se prevenir contra baixarias?, relatou Maia.  Nas palavras do prefeito, tratou-se de ?um jantar entre famílias que se conhecem e convivem há 33 anos.? Indagado sobre a possibilidade de aproximar-se de Ciro no primeiro turno, Maia disse hoje ser ?impossível?.