Após longas negociações com a direção da Itaipu Binacional, durante uma
paralisação que durou seis dias, os funcionários da hidrelétrica decidiram há
pouco voltar ao trabalho. A decisão foi tomada durante assembléia realizada esta
manhã em Foz do Iguaçu, entre os sindicatos que representam os engenheiros e
eletricitários, funcionários brasileiros da empresa.

Eles aceitaram a
contraproposta da empresa por unanimidade. De acordo com o diretor-geral
brasileiro da Itaipu, Jorge Samek, a distribuição da Participação nos Resultados
(PR) de 2004, ano em que a Itaipu obteve a terceira melhor produção de sua
história, será feita de forma socializada, beneficiando os empregados que ganham
salários menores.

A empresa distribuirá, a título de participação nos
resultados, um valor correspondente a uma folha de pagamento mais 30%. Desse
total, 60% serão distribuídos de forma proporcional ao salário de cada empregado
e 40% de forma igualitária para todos. Samek disse que os sindicalistas
entenderam a proposta. "Foi o máximo que conseguimos oferecer", afirmou. O
diretor explicou que empresa enfrenta dificuldades por causa do câmbio. A
energia de Itaipu é vendida em dólar e o real valorizado comprime o orçamento da
empresa.

"Estamos fazendo uma gestão absolutamente responsável,
controlando centavo por centavo dos recursos, cortando despesas de custeio e
investimentos para não repassar os custos da apreciação cambial para o
consumidor, pois entendemos que a energia tem um peso fundamental no controle da
inflação", observou.