Representantes dos funcionários da Empresa de Correios e Telégrafos, em greve há quase uma semana, solicitaram uma reunião de emergência com o ministro das Comunicações, Hélio Costa.

De acordo com um dos diretores da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos (Fentect), Golberi Valoria, o grupo quer que o ministro seja o mediador nas negociações com o ministério do Planejamento.

"Tentamos audiência com o ministro das Comunicações, Hélio Costa, pela manhã, mas não conseguimos. Vamos tentar agendar uma reunião de emergência. Queremos que ele nos auxilie neste processo", argumenta. A assessoria de imprensa do ministério não confirma o encontro.

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Vantuil Abdala, tentou estabelecer um acordo entre a empresa e os grevistas na última sexta-feira (16). A proposta previa o pagamento de abono linear de R$ 800,00 aos 108 mil funcionários da empresa, um reajuste salarial retroativo ao dia 1º de agosto de 8,5% e outro aumento de 3,61% em fevereiro do próximo ano.

Os manifestantes não aceitaram a proposta. Eles reivindicam contratações imediatas, reposição de perdas salariais entre agosto do ano passado e junho deste ano, reajuste de 20%, piso salarial de R$ 931,95, e defesa do monopólio postal.