O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, sinalizou hoje que poderá ficar no governo neste segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O presidente quer que eu fique, é verdade, ele já falou. Estou tratando com ele, no sentido de encontrarmos uma solução", disse em rápida entrevista após café da manhã, em Brasília, com o presidente da Alemanha, Horst Köhler.

Furlan negou notícias veiculadas na imprensa segundo as quais estaria condicionando sua permanência no governo a uma maior autonomia para definir os quadros do BNDES, já que a instituição é vinculada ao seu ministério. Segundo ele, a resistência que vem demonstrando em permanecer no ministério deve-se ao fato de ter se programado, desde o início, para ficar quatro anos no governo e a compromissos familiares que o obrigam a pensar em outras alternativas.