O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, disse que o Brasil ?ainda está muito longe de ser uma economia exportadora de alta competitividade?, mas ressaltou que o governo tem a política de exportações como prioridade e que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não tem medido esforços em suas viagens ao exterior na busca de novos mercados.

Ele citou as novas medidas para simplificar o processo de exportação anunciadas pelo secretário de Comércio Exterior, Ivan Ramalho. O ministro destacou que a meta de exportações para este ano, inicialmente prevista para US$ 66 bilhões, depois revista para US$ 68 bilhões e US$ 70 bilhões, ?será superada com folga?.

Furlan afirmou que boa parte das exportações de 2004 já tem o resultado praticamente assegurado se for levado em conta o bom desempenho dos setores de papel e celulose, automotivo, agronegócios, petroquímica, química, jóias e mármores e granitos.

?Vamos ampliar os investimentos no setor, que este ano são da ordem de US$ 60 bilhões provenientes da Agência de Promoção ao Comércio Exterior (Apex), de forma a chegar a 2007 registrando US$ 200 bilhões em exportações e importações, conforme a meta estabelecida no Plano Plurianual de Investimentos (PPA)”, acrescentou o ministro.

Furlan fez as declarações ao abrir o 23º Encontro Nacional de Comércio Exterior. O 23º Enaex reúne empresários de todo o país até amanhã. O tema deste ano é ?Avaliação Política de Comércio Exterior para Competição em Regime de Inserção Internacional?.