Em mais um round na disputa eleitoral pela Presidência da República, o pré-candidato tucano, Geraldo Alckmin, voltou a atacar o presidente Lula (PT). Em visita ao município de Petrolina, no Sertão de Pernambuco – Estado natal do petista -, Alckmin foi duro ao acusar a gestão petista de "torturar e violar" a população brasileira.

"O Lula fica com essas bravatas de que quer ver imagens das CPIs sendo usadas na TV. Fala em tortura e tal. Mas quem teve algo violado foi um caseiro nordestino. E quem sofreu tortura foi todo o povo brasileiro, com essa história de cuecão, dólar cubano em caixa de uísque, desvio de dinheiro público e operação sanguessuga", disparou o tucano, ao referir-se às declarações feitas pelo presidente na última quinta-feira, quando acusou a oposição de "fazer terrorismo" durante as CPIs em andamento no Congresso Nacional.

Apesar da versão oficial sustentada por parte do comando tucano – de que a campanha eleitoral da legenda não se renderia aos ataques mútuos -, o ex-governador paulista fez novas acusações contra os petistas. "Pegaram esse pessoal da operação sanguessuga. O governo federal vive, hoje, em uma época jurássica, onde as coisas mais absurdas acontecem. Se formos olhar com cuidado, numa espécie de varredura, veríamos que essas coisas dos sanguessuga acontecem em todos os ministérios", sentenciou.

Alckmin permanece em Petrolina até amanhã. Apesar dos esforços do PFL pernambucano, para que a visita do pré-candidato pudesse dar novo fôlego a candidatura tucana na região, nenhum dos principais líderes políticos do Estado, exceto o senador José Jorge (PFL), candidato a vice na chapa de Alckmin, acompanhou a programação.

O ex-governador Jarbas Vasconcelos (PMDB), que disputa uma vaga ao Senado – um das figuras nordestinas mais cortejadas pela cúpula tucana nacional -, afirmou que não poderia ir a Petrolina porque teria outro compromisso: assistir o jogo do seu time, o Sport Clube, contra o CRB, pela série B do Campeonato Brasileiro.

Essa é a primeira visita de Alckmin a Pernambuco depois de Jarbas ter declarado apoio a sua pré-candidatura. Já o governador e pré-candidato à reeleição, Mendonça Filho (PFL), alegou problemas de agenda para justificar o fato de não acompanhar a comitiva tucana. Questionado sobre a preocupação com a ausência desses e outros nomes, Alckmin foi evasivo. "Quando eu era governador, não acompanhava todas as visitas do meu pré-candidato à presidência nas últimas eleições. Além do mais, essa nem é exatamente uma visita de campanha. Vim para conhecer melhor as potencialidades e as necessidades da região", justificou.

No início da tarde, depois de visitar uma agroindústria e um projeto de irrigação, Alckmin almoçou na residência de uma família de sertanejos, criadores de ovinos e caprinos. Apesar de não ter sido confirmada pela assessoria do pré-candidato, está prevista uma visita, no domingo pela manhã, à feira pública do município.