O falso socorrista do Samu, preso em agosto de 2014 depois de enganar várias mulheres para furtar dinheiro e pertences, foi preso novamente nesta terça-feira (20). Desta vez, se passava por tenente do Exército e estava em um relacionamento há dois meses com uma mulher de 34, que conheceu em um site de relacionamentos.

Relembre o caso

Depois de receber uma denúncia anônima, informando que o falso socorrista – e agora também falso tenente – estava no terminal de ônibus do Boqueirão, policiais do serviço reservado da 1ª Companhia do 17º Batalhão da Polícia Militar abordaram Rodrigo José Luiz, 30 anos. Ele mentiu o nome (disse que se chamava Felipe Borba), e falou que dava aulas no Colégio Militar, mas era civil.

Na mochila de Rodrigo, os policiais encontraram uma camiseta camuflada com a identificação de “Tenente Borba”. Reconhecido por fotos, ele foi detido e encaminhado à Delegacia de São José dos Pinhais. Contra ele, havia um mandado de prisão. Segundo a polícia, existem boletins de ocorrência do mesmo tipo de crime registrados contra o farsante desde 2008.

Companhia agradável

A vítima, com quem Rodrigo estava se relacionando, não quis ter o nome divulgado. Ela disse que começou a conversar com ele por um site. “Ele disse que era tenente do Exército, morava na Vila Militar no Bacacheri e que era formado em técnico de enfermagem. Ele andava até com aqueles aparelhos de medir pressão dentro da bolsa”, contou.

De acordo com a mulher, os dois começaram a namorar. O falso tenente conheceu toda a família dela, e “se fez muito agradável, muito presente. Saía, comprava as coisas, fazia janta”. Ele a via em um dia, e ficava distante por dois ou três, mas sempre ligava para conversar.

A vítima disse que nunca conheceu a casa ou a família do “Tenente Borba”. “Ele dizia que era órfão, que veio do Rio de Janeiro”.

A mulher chegou a emprestar dinheiro pra ele, mas Rodrigo retornou a quantia. O único prejuízo que ela teve com a relação foi um notebook, que ele pegou emprestado e não devolveu, mesmo depois que ela pediu. Ela desconfiou depois de alguns dias de sumiço do namorado e ao pesquisar sobre ele, descobriu matérias antigas sobre o falso socorrista do Samu. “Eu ainda levei sorte, mas estou me sentindo enganada. Era uma pessoa com quem eu fazia planos futuros, a gente se sentia bem juntos”, desabafou.

No celular de Rodrigo, ela localizou outras possíveis vítimas com quem ele conversava. “Elas não conseguem acreditar”, revelou.