O governador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que conta com a percepção política do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para negociar com os governadores a agenda de mudanças no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Mas antecipou que, se o governo federal recusar o diálogo, os governadores vão mobilizar as bancadas de seus Estados para rejeitar o PAC e, pior, dificultar as prorrogações da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e da Desvinculação das Receitas da União (DRU).

Os governadores falarão também com os líderes dos partidos, para explicar que a agenda comum não é um desafio ao governo federal, mas uma resposta às crescentes demandas dos Estados. Aécio previu que será ‘muito difícil’ para o governo federal aprovar a prorrogação da CPMF e da DRU se não topar a negociação com os Estados. ‘Ainda é tempo de mudar e eu espero que o governo perceba. Senão, as dificuldades serão grandes’, prognosticou, referindo-se à aprovação da CPMF e da DRU.