O Tesouro Nacional, a Previdência Social e o Banco Central registraram, juntos, um superávit primário em agosto de R$ 3,791 bilhões. De janeiro a agosto, o esforço fiscal feito pelo chamado governo central atingiu o montante de R$ 41,730 bilhões, o equivalente a 3,81% do Produto Interno Bruto (PIB). O valor acumulado para o pagamento de juros da dívida pública superou com folga a meta fiscal fixada para o período, de R$ 33,1 bilhões. No mesmo período do ano passado, o superávit primário acumulado pelo governo central foi de R$ 34 793 bilhões, o que correspondia a 3,55% do PIB no período.

Em agosto, o Tesouro Nacional acumulou, sozinho, um superávit de R$ 6,391 bilhões em suas contas, mesmo considerando que a receita apurada no mês foi menor do que a registrada em julho. A Previdência Social e o Banco Central, no entanto, apuraram déficits primários no período, o que reduziu o resultado global do governo central. A Previdência registrou em agosto um déficit de R$ 2,570 bilhões, enquanto o Banco Central fechou o mês passado com um resultado negativo de R$ 29,5 milhões.