A melhoria do abastecimento interno e a redução de entraves à comercialização agrícola do País foram garantidas, no ano de 2007, quando o governo federal, por intermédio dos mecanismos de aquisição de produtos e de equalização de preços, aplicou R$ 2 bilhões na comercialização de 12,8 milhões de toneladas de grãos e fibras (algodão, arroz, café, feijão, milho, sisal, sorgo, soja e fécula de mandioca e de trigo). O governo vendeu ainda 2,4 milhões de toneladas de produtos dos estoques públicos, obtendo a receita de R$ 803 milhões.

Para 2008, a Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) conta com um orçamento de R$ 2,7 bilhões, que serão aplicados em operações de apoio à renda dos produtores, mecanismos de compras e equalização de preços. O diretor do Departamento de Comercialização e Abastecimento Agrícola e Pecuário (Deagro/SPA), José Maria dos Anjos, prevê para este ano que o arroz, o algodão e a soja deverão demandar mais apoio à comercialização.

Aprimoramento

O governo federal tem se empenhado em ações para estreitar a cooperação (e a coordenação) entre os elos das cadeias produtivas, com o objetivo de garantir preços e renda aos produtores. Nesse sentido, os instrumentos de intervenção no mercado têm sido aprimorados para garantir a eficiência na aplicação dos recursos públicos e atrair recursos privados para o apoio à comercialização. O Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro), criado em 2006, propiciou a negociação de 8.563 mil toneladas de algodão, café, milho, feijão e soja, na safra 2006/07.