Foto: Julio Covello/SECS
Governador acompanhou a
destruição das armas.

Foram destruídas mais 2.500 armas de fogo, às 11h desta quinta-feira, em uma cerimônia pública, em frente ao Palácio Iguaçu. As armas foram recolhidas pela Campanha de Desarmamento e sua inutilização contou com a participação do Exército. “Estamos tirando de circulação as armas que provocam acidentes domésticos e que acabam sendo utilizadas por pessoas sem antecedentes criminais. As armas recolhidas têm salvado vidas, mas não podemos ter a ilusão que estamos recolhendo armamento de quadrilhas, que utilizam equipamentos caros, automáticos e contrabandeados”, disse o governador Roberto Requião.

Esta foi a terceira destruição de armas promovida pela Campanha Estadual em apenas oito meses. Ao todo, 7,3 mil armas de fogo, das mais de 20 mil arrecadadas, já foram inutilizadas pelo Governo do Paraná. “Para combater as grandes quadrilhas a Polícia está na rua”, afirmou o governador. Um rolo compressor fez a trituração das armas que estavam espalhadas em quarenta metros de chapas de aço. Logo em seguida as armas foram encaminhadas diretamente a uma siderúrgica, designada pelo Exército, para que fossem derretidas.

Além do governador, o secretário de estado da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, o general da 5.a Região do Exército, Luís Carlos Minussi, as cúpulas das polícias Civil e Militar e dezenas de autoridades participaram da cerimônia. O secretário da Segurança Pública lembrou que o sucesso da campanha paranaense serviu como incentivo para o lançamento da Campanha Federal do Desarmamento. “O Paraná saiu na frente e serviu como espelho para o resto do país. Agora, nos unimos à campanha federal e vamos continuar colaborando com o desarmamento”, disse. Logo em seguida, o general Minussi, aproveitou para informar que o Exercito também passou a recolher armas no Estado. “Qualquer uma das nossas unidades está autorizada a receber as armas entregues pela população”, falou