São Paulo, 21 (AE) – O ministro das Cidades, Olívio Dutra, vai dar o recado, mas não o exemplo. Amanhã (22), dia da 4ª Jornada na Cidade Sem Meu Carro, versão brasileira do Dia Mundial Sem Carro, campanha para alertar a população sobre as conseqüências do uso intensivo de automóveis, o ministro deve fazer o trajeto de casa, na Asa Sul de Brasília, até a Torre de TV, de carro. A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, no entanto, deve ir ao trabalho de ônibus, como fez no ano passado.

Este ano, cerca de 70 cidades brasileiras devem participar da campanha, que em três anos conseguiu a adesão de 2 mil municípios de 24 países. Em Brasília, está programado um passeio de bicicleta entre a Torre de TV e a Esplanada dos Ministérios. Aí sim, Dutra pegará uma bicicleta para ir pedalando até seu gabinete.

Além do passeio, um bicicletário será inaugurado nos Ministérios das Cidades e do Meio Ambiente e será assinada uma portaria criando o Programa Brasileiro de Mobilidade por Bicicleta, para incentivar a construção de ciclovias.

Em São Paulo um grupo de ciclistas vai se reunir para distribuir panfletos pedindo mais respeito aos ciclistas, às 7 horas, na Avenida Paulista com Consolação, e às 18 horas, na Rebouças.

A Secretaria Municipal de Transportes, com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a SPTrans, também vai distribuir panfletos e colocar 180 faixas em cruzamentos incentivando o uso do transporte coletivo.

Para especialistas, a falta de opções em transporte de massa é uma das questões que determinam a baixa adesão dos paulistanos a iniciativas como o Dia Mundial Sem Carro. “A ausência de ciclovias e o trânsito violento impedem um aumento do número de pessoas circulando de bicicleta”, acredita o conselheiro do Instituto de Engenharia Nestor Tupinambá.

Em Belo Horizonte, um movimentado cruzamento do centro será coberto por 300 metros quadrados de grama para um café da manhã “pró-pedestre”.