Brasília ? A construção civil nunca teve tanta atenção como no atual governo. A afirmação foi feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao participar do lançamento de um pacote de medidas de incentivo ao setor.

"Em poucos momentos da história do Brasil, a construção civil teve e tem o destaque que está tendo no nosso governo. Interpretem como quiserem", afirmou Lula, durante a solenidade, realizada no Palácio do Planalto.

O pacote de incentivo à construção civil prevê R$ 8,7 bilhões de recursos da caderneta de poupança para crédito imobiliário, com aumento de 90% em relação a 2005. Outra medida do conjunto eleva de R$ 110 milhões para R$ 1 bilhão o volume de recursos para o Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS). O dinheiro do fundo será aplicado, especialmente, na urbanização de favelas de palafitas.

Uma lista com 40 itens de materiais de construção teve a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzida ou zerada. O presidente informou que 13 itens com alíquota de 5% ficarão isentos do imposto. Os itens restantes, cuja alíquota era superior a 5%, ficaram com taxa de 5%. A lista inclui esquadrias metálicas e de madeira, azulejos, cerâmica esmaltada, louças sanitárias, torneiras e registros, caixas d’água, tintas, vidros, fios, cabos, aço (vergalhões), tubos e conexões de PVC e argamassa.

De acordo com o presidente, o pacote vai permitir que a construção civil volte a ter participação significativa no Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas produzidas no país, e gere mais postos de trabalho.