Se a economia continuar crescendo no ritmo atual, o Brasil deve chegar ao final de 2006 com a marca de cinco milhões de empregos formais gerados durante os quatro anos do governo Lula. A expectativa é do ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho. De acordo com ele, essa projeção não inclui os empreendedores, categoria na qual, segundo ele, enquadram-se os agricultores familiares.

"Todo emprego gerado pelo empreendedorismo não está computado nessa estatística das carteiras assinadas, mas são empregos gerados também. Se computados esse conjunto de empregos, podemos nos aproximar dos oito milhões até o final do mandato do presidente Lula", disse Marinho, em entrevista à Radiobrás.

Luiz Marinho informou que, em 33 meses de governo Lula, foram criados cerca de 3,4 milhões de empregos com carteira assinada, numa média de 105 mil novos postos de trabalho a cada mês. Segundo o ministro, a criação de empregos formais é "resultado natural" do crescimento econômico.

"Você tem mais empregos com carteiras assinadas sendo gerados do que na informalidade, como resultado natural do crescimento da economia".