A educação básica vai passar por uma nova forma de avaliação que vai medir a qualidade do ensino em cada escola. De acordo com a coordenadora-geral do Sistema de Avaliação da Educação Básica do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Luiza Massae Uema, o objetivo é identificar as experiências que têm dado bons resultados.

"Nós vamos obter resultado por unidade escolar. Às vezes tem uma escola em frente à outra e elas têm desempenhos diferentes. Isso levanta questões e reflexões sobre o que é que pode estar fazendo a diferença para que escolas que têm infra-estrutura ou professores com formação similares tenham desempenho melhor que outras", explicou a coordenadora.

Desde 1995, o Ministério da Educação tem avaliado o ensino básico através de um levantamento por amostragem, envolvendo cerca de 400 mil alunos de 4ª e 8ª séries do ensino fundamental e de 3ª série do ensino médio. Segundo Luiza Uema, os resultados têm identificado queda na qualidade do ensino, o que motivou a criação da nova avaliação.

A proposta é incentivar a elaboração de políticas mais específicas para a realidade do sistema de ensino. "Quando divulgamos os resultados, as próprias escolas, secretarias e gestores não conseguem se identificar nesses resultados que são mais gerais".

Segundo a coordenadora, a avaliação por amostragem continuará sendo feita para garantir a comparação histórica. "São duas avaliações que nós vamos fazer, uma não está substituindo a outra", disse.

A Avaliação Nacional do Rendimento Escolar vai medir o desempenho de cerca de 5 milhões de alunos de 4ª e 8ª séries do ensino fundamental. A avaliação será feita em 43 mil escolas da zona urbana. Vão participar as escolas da rede pública que tenham mais de 30 alunos matriculados em cada uma das sérias avaliadas.

Para realizar o levantamento, o Ministério da Educação investirá cerca de R$ 55 milhões, contra R$ 6 milhões da avaliação por amostragem. O custo por aluno, no entanto, será menor. Na amostragem, são gastos R$ 15 por aluno e na nova avaliação serão cerca de R$ 10,60. "O custo unitário da pesquisa por amostragem sai um pouco maior porque existem procedimentos que em grandes quantidades têm os custos reduzidos", explicou Luiza.

A pesquisa por amostragem será realizada de 7 a 11 de novembro e a nova avaliação, de 16 a 30 de novembro.