Brasília – O crédito imobiliário com recursos das cadernetas de poupança deverá superar, em 2006, R$ 8,7 bilhões, dos quais R$ 2 bilhões serão aplicados da Caixa Econômica Federal. O valor, se confirmado, representará um aumento de 90% em relação a 2005, quando o crédito atingiu R$ 4,5 bilhões. Em relação a 2004, o crescimento será de 400%, já que o crédito imobiliário totalizou R$ 2,9 bilhões naquele ano.

Os dados estão sendo anunciados, neste momento, pelo ministro da Fazenda, Antonio Palocci.O governo estima que a oferta total de crédito imobiliário em 2006 deve atingir R$ 16,3 bilhões, dos quais R$ 6,8 bilhões serão destinados a famílias de baixa renda e R$ 9,5 bilhões à classe média.

O pacote de estímulo à construção também prevê um aumento dos recursos do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS) de R$ 110 milhões para

R$ 1 bilhão. Estes recursos serão aplicados em projetos de urbanização de favelas com palafitas. Os subsídios para a habitação popular em 2006 devem atingir R$ 2,7 bilhões, dos quais R$ 1 bilhão virão do FGTS e R$ 1,2 bilhão, do Orçamento Geral da União.

O ministro anunciou ainda a lista dos produtos da construção civil que terão reduzida a alíquota de IPI. Entre eles azulejos e cerâmica esmaltada, louças sanitárias, torneiras e registros, tintas, vidros, argamassa, e tubos e conexões de PVC. Terão a alíquota reduzida a 5% os produtos hoje taxados em porcentual maior do que esse. Os produtos que têm alíquota menor do que 5%, terão a tributação reduzida a zero.