O governo do Estado vai estabelecer, juntamente com o empresariado paranaense, políticas públicas efetivas para o fomento florestal. Segundo o secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho, o governo pretende implantar ações para o produtor, principalmente o pequeno, obter uma chamada ?caderneta verde? ao plantar árvores no Paraná.

?A idéia é mostrar ao produtor que projetos de reflorestamento não dão lucros imediatos e sim a médio e longo prazos, como uma poupança?, explica Moreira Filho. Questões como estímulo do plantio de florestas nativas, planejamento para reflorestamento no Estado e análise com o produtor de um mecanismo para as chamadas ?reservas de compensação das riquezas florestais? – acrescenta o secretário – estão na pauta do Governo.

?A madeira ocupa 2,8% do território paranaense, muito diferente da soja, que atinge 16%. Está na hora de adotarmos políticas práticas para garantir a vitalidade e competitividade do setor?, defende Moreira Filho.

Exportações – Segundo produto na pauta de exportações paranaenses, atrás apenas da soja, a madeira pode reverter retração de empregos no setor. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), foram realizadas 25,7 mil contratações pela indústria madeireira paranaense no ano passado, abaixo do número de demissões (29,4 mil).

Para o secretário, a elevada carga tributária brasileira e a rigidez da política monetária são uma das maiores causas do desempenho negativo da indústria madeireira em comparação com anos anteriores.