Mais duas obras são entregues à população paranaense na região Norte do Estado. A Secretaria dos Transportes e o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) concluíram nas últimas semanas os trabalhos entre Cornélio Procópio e Congonhinhas, passando pelo município de Nova Fátima (PR-160); e entre Guarací e Nossa Senhora das Graças (PR-542).

O secretário Waldyr Pugliesi ressalta a importância de se investir nas rodovias da região, que recebe normalmente e com grande intensidade o tráfego pesado de caminhões transportando a safra agrícola local e também dos Estados vizinhos com destino ao Porto de Paranaguá.

?O governo mantém diversos programas em andamento, com obras iniciando a cada semana em uma localidade diferente no Estado. É uma prova de respeito ao povo paranaense?, comenta.

Ainda segundo o secretário, os 45 quilômetros da rodovia entre Cornélio Procópio e Congonhinhas já podem ser utilizados com segurança pela população, já que, além da recuperação, foi realizada a renovação da sinalização horizontal (pintura de faixas).

?A estrada é um dos mais importantes eixos que ligam o Norte ao restante do Estado, beneficiando o transporte da safra, principalmente de soja e trigo?, ressalta.

Em uma primeira fase, de acordo com informações do DER, o trecho foi preparado com serviços de tapa-buraco e reperfilagem para só então receber o micro revestimento asfáltico, completando a recuperação do pavimento.

As obras fazem parte de um amplo cronograma de recuperações desenvolvido pelo Governo do Estado, com a Secretaria e DER, que deve atuar em 1.837 quilômetros de rodovias em todo o Paraná, com recursos da ordem de R$ 150 milhões.

Os usuários de rodovias da região também encontram muito mais segura e com as condições de tráfego restabelecidas, a rodovia de 20 quilômetros entre Guarací e Nossa Senhora das Graças.

?A recuperação destas rodovias representa um verdadeiro compromisso com a população paranaense, já que rodovias recuperadas e bem conservadas são fundamentais para o crescimento econômico e desenvolvimento social do Estado?, finaliza Pugliesi.