Depois de ser implantado nos grandes centros do Paraná, o Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego ? PNPE, do Governo Federal, será estendido a 125 cidades do interior, onde funcionam as Agências do Trabalhador.

A informação é da coordenadora estadual de Intermediação de Mão-de-Obra, Angela de Fátima Grande Carstens, da Secretaria do Trabalho, Emprego e Promoção Social.

Para que fosse feita tal ampliação houve necessidade da realização de cursos operacionais e de motivação para os atendentes e gerentes responsáveis pelo programa no Estado. ?Precisamos de pessoas em condições de sensibilizar os empresários sobre a necessidade de contratar jovens que buscam a primeira experiência no mercado de trabalho?, justifica o secretário Padre Roque Zimmermann.

O Primeiro Emprego atende aos jovens de 16 a 24 anos, renda per capita de até meio salário mínimo, com qualificação, estimulando sua contratação pelas empresas, mediante subvenção econômica. ?Á medida em que o PNPE for compreendido como um programa de inclusão social, nossos jovens serão qualificados dentro das empresas?, espera Angela.

A coordenadora do programa ameniza o risco do trabalhador ser dispensando após um ano de contrato com o fim do subsídio: ?Além de qualificados nas funções que irão exercer, terão ultrapassado a grande barreira para o início de uma vida profissional que é a falta de experiência comprovada. Terão um ano de registro em sua Carteira de Trabalho?.

Qualificação

Através do Consórcio Social Oportunidade, também parceira no PNPE no Paraná, foram preparados 600 alunos para a contratação imediata. Os empresários que estiverem interessados em contratar esses jovens podem entrar em contato com a Casa da Juventude pelo telefone (41) 3019-2412, com a Delegacia Regional do Trabalho (DRT/PR), no 3219-7758 ou agências do Trabalhador, em Curitiba, pelo telefone (41) 3322-7411.

Os jovens tiveram 400 horas de cursos profissionalizantes, de cidadania e inclusão digital. O cursos promovidos foram de artesanato, atendente comercial, auxiliar de escritório, azulejista, bijuteria, confeiteiro e salgadeiro, corte e costura, garçom, gestão de empreendimentos, serigrafia e telemarketing.

Segundo a gestora do PNPE no Paraná e delegada substituta do Trabalho, Leila Raboni, é muito importante a adesão de empresários na contratação desses jovens. ?Queremos mostrar para o empresariado a força e a capacidade do jovem?, destacou.

Programa

O programa Primeiro Emprego foi criado diante da dificuldade do jovem encontrar emprego, por falta experiência. Entre os incentivos para sua efetivação estão os cursos de capacitação e o apoio financeiro às empresas que fizerem as contratações. Elas recebem seis parcelas de R$ 250 (total de R$ 1.500) no decorrer de um ano. Os recursos são do FAT – Fundo de Amparo ao Trabalhador.

Além dos escritórios regionais da SETP, as empresas interessadas em participar do PNPE podem procurar diretamente o Ministério do Trabalho ou as delegacias regionais do Trabalho. Elas devem firmar um protocolo de intenção, comprometendo-se com um determinado número de vagas para jovens, no âmbito do programa. É vetada a participação aos empregadores domésticos.