A Secretaria d da Saúde está realizando o combate ao bicho-barbeiro em oito municípios do Estado. Missal, São Jerônimo da Serra, Francisco Alves, Santana do Itararé, Ortigueira, Cândido Abreu, Cruzmaltina e Faxinal desenvolvem, há três anos, pesquisas de campo com agentes da saúde que procuram o inseto transmissor da doença nas casas e abrigos desses municípios. Fazendo parte do calendário nacional de programas preventivos desde 1985, o combate ao Triatoma infestans, mais conhecido como bicho-barbeiro, está na mira da saúde no Paraná.

No Brasil 18 Estados, incluindo o Paraná, fazem parte do programa de eliminação do ?Barbeiro?. A certificação da interrupção da doença será dada ao Paraná depois de avaliação da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), ainda neste ano. ?Desde a retomada das ações pelo Estado após a descentralização da Funasa, em 2000, não foi encontrado nenhum Triatoma infestans nos oito municípios atendidos pelo programa. Este fato garante a interrupção da doença de Chagas no Paraná pelo inseto transmissor,? conta a técnica responsável pelo programa de controle da doença de Chagas, Themis Valéria de Souza Baptista.

Desde 2002 não há registro da existência do transmissor da doença de Chagas em residências rurais dos municípios do Paraná. Com a implementação dos Postos de Informação dos Triatomíneos (PIT) e coleta de insetos suspeitos para análise laboratorial o Governo do Estado assegura ainda mais a saúde das famílias.

Com a eliminação do vetor da doença de Chagas, o Paraná pode estar livre da doença. Para evitar a proliferação do inseto, alguns cuidados devem ser tomados, como lembra a técnica Themis. ?A população tem que limpar de forma adequada os quintais, livrando-se de entulhos que podem servir de esconderijo para o transmissor. Deve limpar regularmente as casas, com cuidado redobrado nos quartos, colocando sempre os colchões para pegar sol. Não deve permitir a entrada de animais domésticos dentro de casa e evitar buracos nas paredes da residência?, orienta.

O Programa de Eliminação do Triatoma infestans (PETI) foi criado em 1991, quando ministros da Saúde de alguns países da América Latina, entre eles Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, Uruguai e Brasil, se reuniram em Brasília e definiram a Resolução 04-03-cs que reforça as competências estaduais, provinciais ou departamentais para assessorar, monitorar e supervisionar atividades do controle de Chagas em casas e abrigos de todo o país.

Doença

A doença de Chagas é transmitida pelo inseto conhecido como bicho-barbeiro e provocada pela ação do parasita Trypanosoma cruzi, encontrado nas fezes do inseto.

O bicho-barbeiro pode ser encontrado em lugares silvestres (matas) ou domésticos (adaptável à casa do homem). Os sintomas da doença aparecem entre quatro a dez dias depois da picada. Mancha avermelhada parecida com um furúnculo, inchaço das pálpebras de um só olho, febre baixa e contínua por várias semanas, mal-estar e falta de apetite são alguns dos sinais. Outra maneira para pegar a doença é ingerir alimentos contaminados ou na gestação, a mãe transmitindo-a ao filho pela placenta.