O representante do comando de greve dos Correios e presidente do sindicato dos trabalhadores da empresa no Rio de Janeiro, Marcos Santaguida, afirma que os trabalhadores deverão encerrar a greve nesta quinta-feira.

De acordo com ele, a categoria terá muitas perdas caso o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Vantuil Abdala, julgue o pedido de dissídio coletivo feito pela diretoria dos Correios.

"O nosso advogado nos alertou que teríamos muitas perdas e não ganharemos nada em troca. Apostamos na negociação política e não na jurídica. Além disso, o dissídio coletivo é um instrumento jurídico que torna o tribunal responsável por definir os valores dos reajustes. Poderíamos perder o que já temos", diz.

Os ganhos que podem ser obtidos pela categoria são os mesmos propostos por Vantuil Abdala na última sexta-feira: reajustes salariais de 8,5% retroativos a 1º de agosto e 3,61% a partir de fevereiro de 2006, abono de R$ 800,00. Em troca, os funcionários deveriam repor os dias parados.

O ministro Vantuil Abdala encerrará às 17h a fase de conciliação. Ontem, os grevistas rejeitaram o acordo firmado entre o comando de greve e a diretoria do órgão. Segundo os grevistas, a maior parte das assembléias estaduais não aceitou a proposta. No entanto, à noite, muitas delas refizeram as reuniões e mudaram de opinião.