A greve no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) do Rio de Janeiro já atinge 46% das agências na capital e 18% no interior, segundo levantamento divulgado pela Assessoria de Imprensa da superintendência do instituto. O movimento no entanto não prejudica o serviço de perícia médica.

Amanhã, às 18h, os servidores realizam uma assembléia na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), para definir o encaminhamento da paralisação. De acordo com a diretora do Sindicato dos Trabalhadores da Seguridade Social do Rio, Maria da Conceição Santos, a reunião de amanhã decidirá como será o aumento progressivo da paralisação e a sua unificação com a greve dos servidores federais, marcada para o dia 10 de maio.

Entre as principais reivindicações dos servidores do INSS estão reposição das perdas salariais; cumprimento dos acordos de greve de 2001 e 2003, como a quebra da paridade entre ativos e inativos; implantação do piso salarial do serviço público federal e organização de um plano de carreira.