A Urbs está encaminhando uma determinação oficial às 22 empresas operadoras da Rede Integrada de Transporte (RIT) para que mantenham 50% da oferta normal de ônibus durante o período de greve dos motoristas e cobradores. A mesma determinação está sendo enviada ao Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sindimoc). "Os serviços essenciais à população não podem ser interrompidos pela greve; as empresas e os trabalhadores precisam assegurar atendimento emergencial. Consideramos que 50% da oferta normal é o mínimo necessário para evitar maiores prejuízos à população", afirma o presidente da Urbs, Paulo Schmidt.

Schmidt explica que a Urbs acompanhou a negociação entre os trabalhadores e as empresas do transporte coletivo. A decisão de paralisar o transporte surpreendeu o presidente da Urbs. "O sindicato está dividido, percebemos que há vários interesses misturados. As lideranças dos trabalhadores não conseguem dizer o que querem, estão lidando com essa situação de forma vacilante e imatura", afirmou ele.

Lotações – A Urbs está cadastrando proprietários de veículos de passageiros interessados em fazer o trabalho de lotação enquanto durar o período de greve de motoristas e cobradores do transporte coletivo. Para conseguir a autorização, o motorista deve comparecer à Urbs, no prédio central da estação rodoferroviária, com a documentação do veículo e a carteira de habilitação. Uma equipe de atendimento faz o cadastro e a vistoria na hora e orienta o motorista sobre o itinerário que deverá seguir. O veículo sai da Urbs com a autorização de lotação colada no pára-brisa, com a informação do preço máximo que poderá ser cobrado por passageiro (R$ 4,00).

A Diretran orienta os motoristas a redobrar a atenção no trânsito. Por causa da greve, na manhã desta terça-feira (7) há vários pontos de lentidão na região central, no Alto da XV e no Água Verde.