A Guarda Municipal vai reforçar o trabalho de vigilância nas cavas do rio Iguaçu, no trecho entre o Parque Náutico e o Zoológico de Curitiba. Mais dez homens vão se integrar ao efetivo que cuida do local.

O reforço, determinado pela Secretaria Municipal da Defesa Social, é para evitar acidentes e afogamentos. É proibido nadar nas cavas porque o perigo é grande. Além de diferença de profundidade, existem galhos, árvores e pedras submersos, que colocam em risco a segurança do banhista.

A vigilância nas cavas é redobrada no verão, quando aumenta o número de freqüentadores. Normalmente três guardas municipais, equipados com bóias e cordas para efetuar salvamentos, percorrem de moto o trecho de 10 quilômetros. Eles alertam e retiram da água quem desobedece à proibição.

Como o número de freqüentadores na área náutica deve aumentar durante o feriadão de Carnaval, a Guarda Municipal decidiu reforçar o efetivo. O guardas vão atuar também no Zoológico.

A Prefeitura e o Corpo de Bombeiros realizam um trabalho de conscientização com os moradores da região. Além de orientação, a Prefeitura mantém placas proibindo banho nesses locais.

As cavas são pontos onde houve extração de minerais, como areia e argila. Elas ajudam a conter enchentes, recebendo as águas que transbordam dos mananciais. Em Curitiba, há cavas nos bairros do Boqueirão, Alto Boqueirão, Ganchinho, Tatuquara, Umbará, Campo do Santana e Pinheirinho.