O Hamas criticou nesta sexta-feira (19) o repasse por parte de Israel de US$ 100 milhões – provenientes de taxas que favorecem a Autoridade Nacional Palestina e tarifas aduaneiras congeladas – diretamente ao presidente palestino, Mahmoud Abbas, da Fatah. "Dessa maneira o governo palestino legítimo é preterido", reclamou Fawzi Barhum, um dos dirigentes do Hamas. "Além disso, Israel se dá o direito de decidir como serão usados esses fundos".

Alguns observadores também notaram que a remessa – decidida na reunião entre Abbas e o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, em 23 de dezembro – foi feita às vésperas de um possível encontro em Damasco, na Síria, entre o presidente da ANP e o líder do Hamas, Khaled Meshal.