O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) está reforçando o monitoramento da qualidade do ar neste período de estiagem. A primeira medida foi a contratação do perito Andreas Grauer para auxiliar na instalação das estações de controle e nas análises dos resultados de qualidade do ar na Região Metropolitana de Curitiba.

Grauer explicou que os processos industriais e dos veículos têm aproximadamente a mesma emissão no inverno, no verão ou em períodos de estiagem prolongada. ?A diferença é que os poluentes se diluem mais facilmente na atmosfera no verão. Já no inverno a estabilidade atmosférica impede o transporte vertical de poluentes, o que aumenta a sua concentração?.

Esse trabalho de acompanhamento da qualidade do ar vem sendo realizado pelo IAP desde 1985. Atualmente o instituto trabalha com doze estações de monitoramento. Na última avaliação, feita nas regiões centrais, residenciais e industriais de Curitiba e de Araucária, não foi registrado um aumento significativo nos níveis de poluição em razão do período de estiagem prolongado. Na estação de Colombo houve variações nos índices de qualidade do ar.

Segundo o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues, as estações não indicam o local de origem da poluição e sim se os padrões de ar que a população está respirando são aceitáveis ou não. ?Os resultados determinam as prioridades de ações de controle a serem implementadas pelo órgão ambiental. O monitoramento é um alerta para verificar o que está acontecendo e definir providências imediatas. A idéia é descobrir o foco do problema e embargar ou multar atividades potencialmente poluidoras?, reforçou o secretário.

O monitoramento da qualidade do ar na Região Metropolitana de Curitiba é realizado por estações manuais e automáticas localizadas em Curitiba na Santa Casa, Santa Cândida, Cidade Industrial (CIC), Praça Ouvidor Pardinho e Boqueirão. Em Araucária as estações automáticas estão localizadas nos bairros Sabiá (Seminário), Vila Nova (Assis), Tidiquera (São Sebastião), Fazenda Velha (Assis), Sabiá (Companhia Siderúrgica Nacional ? CSN), Centro (pátio da Refinaria Repar).

A estação de monitoramento localizada em Colombo foi instalada em janeiro deste ano. As variações constatadas nos níveis de qualidade do ar na região levaram o IAP a realizar uma fiscalização em todas as indústrias do município. ?Apenas um local estava fora dos padrões?, relatou o diretor de Controle de Recursos Ambientais do IAP, Harry Luis Telles.

O IAP, o Ministério Público, a prefeitura e a Secretaria Municipal do Meio Ambiente definiram medidas para reduzir o nível de poluição durante o período de estiagem. Entre as ações propostas estão a transferência do tráfego de avenidas não pavimentadas para as pavimentadas, o desvio do trânsito de caminhões sem lona para não espalhar o pó, e uma parceria no monitoramento constante das emissões das indústrias entre IAP e Ministério Público.

?O IAP têm uma legislação diferenciada para monitorar e licenciar cada tipo de atividade industrial que pode influenciar na qualidade do ar. Esta legislação é modelo para o Brasil?, disse a engenheira química do IAP e chefe do departamento de tecnologia Ambiental, Maria da Graça Branco Patza.

Os boletins mensais que informam, de forma resumida, os resultados obtidos na Rede de Monitoramento da qualidade do ar estão disponíveis na internet (www.pr.gov.br/iap). Consta no boletim mensal o nome da estação e sua localização, médias diárias de dados climáticos como temperatura, umidade e nível de concentração de poluentes na atmosfera.