Uma parceria firmada entre o Instituto de Ação Social do Paraná ? Iasp – e a Agência do Trabalhador de Curitiba ajuda adolescentes, que já cumpriram suas sentenças em unidades sociais, a encontrar uma vaga no mercado formal de trabalho. ?A inclusão social desses adolescentes está prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente. O que fazemos é trabalhar para que esse direito seja garantido, encaminhando e prestando assistência aos meninos e meninas na vida egressa?, afirmou o secretário do Trabalho, Emprego e Promoção Social, Padre Roque Zimmermann.

Dentro da Agência de Curitiba foi criado um setor de assistência social, que atende todas as pessoas com dificuldades para colocação no mercado de trabalho, como idosos e jovens que procuram o primeiro emprego. O setor é responsável por patrocinar a inclusão social dessas pessoas, inclusive indicando programas de assistência social federais, estaduais e municipais, como o Bolsa Família, Peti, Leite das Crianças, Tarifa Social ou Luz Fraterna, por exemplo. ?Os adolescentes recebem atendimento para primeiro emprego, são orientados com dicas de postura no trabalho, disciplina e responsabilidade?, detalhou a gerente da Agência do Trabalhador de Curitiba, Elaine Anderle.

O procedimento está sendo organizado em todas as Agências do Trabalhador do Paraná. ?Procuramos encontrar uma vaga não só para os adolescentes como também para os outros integrantes da sua família, através dos programas que as Agências têm disponíveis?, declarou Padre Roque.

Parcerias com outros órgãos públicos estão sendo articuladas para oferecer a confecção de documentos dentro das unidades. ?Esses jovens têm muitas carências. Muitos encontram dificuldades já na hora do cadastro, por não possuírem, às vezes, nem carteira de identidade. Algumas unidades já têm essas parcerias e encaminham a documentação enquanto o jovem ainda cumpre sua medida?, lembrou Elaine.

Dignidade

Padre Roque lembra das dificuldades que serão enfrentadas na vida social. ?O mercado de trabalho é exigente, cobra estudo, qualificação e dedicação. Todas as pessoas sentem dificuldades na procura por um emprego, e com eles, isso não vai ser diferente. Mas o que sempre lembramos a eles é que não devem desanimar?, frisou o secretário. ?Nós temos a chance de oferecer condições para que esses jovens mudem de vida. Com trabalho e dignidade, diminuímos consideravelmente as possibilidades de reincidência?, conclui ele.