O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) iniciará no próximo dia 16 de abril a coleta de informações para a Contagem Populacional e para o Censo Agropecuário, que serão feitos de forma integrada para reduzir custos do IBGE. A Contagem Populacional será feita em 5.435 municípios com menos de 170 mil habitantes, o que representam 97% do total de cidades brasileiras. Segundo o presidente do IBGE, Eduardo Nunes, a finalidade desse trabalho "é contar, saber onde vivem e quantas são as pessoas" dessas localidades.

Ele explicou – durante seminário hoje em Brasília para esclarecer detalhes da organização dos dois trabalhos – que municípios com população superior a 170 mil a contagem do IBGE será por meio de estimativa. Segundo Nunes, a estatística tem que ser mais precisa nos municípios pequenos porque um eventual erro populacional pode influenciar negativamente nos repasses de verbas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

O IBGE pretende visitar 30 milhões de domicílios. Para os dois trabalhos (Censo Agropecuário e Contagem Populacional), o IBGE vai gastar aproximadamente R$ 600 milhões e utilizar cerca de 90 mil pessoas entre servidores do IBGE e contratados temporariamente. Os primeiros resultados começarão a ser divulgados em meados de setembro deste ano.

Agropecuária

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, que também participou do seminário, comentou que será importante a atualização de dados sobre a área rural do País, já que desde 1996 não se faz no Brasil uma radiografia deste tipo no campo. "Vamos saber detalhadamente o que de importante aconteceu na agropecuária nos últimos onze anos e vai nos ajudar muito a entender a realidade brasileira", afirmou. O presidente do IBGE acrescentou que o censo deverá mostrar uma melhora no setor de agronegócios do País. "Seja a grande ou a pequena, a agricultura tive grande evolução nos últimos anos e o importante agora será analisar sua sustentabilidade para o futuro", comentou Nunes.

O IBGE vai visitar estabelecimentos que atuam nos segmentos de agricultura, aqüicultura, pecuária, avicultura, apicultura, sericicultura, extração vegetal, silvicultura, beneficiamento e transformação de produtos agropecuários. Serão coletados dados sobre quantos estabelecimentos agropecuários são, o que produzem quantas pessoas estão ocupadas, quais as práticas e os manejos utilizados. Segundo Nunes, a proposta do IBGE com esses dados é "tirar a fotografia", criar uma base cadastral e atualizá-la continuamente, "de preferência a cada ano", por meio de pesquisas.