A Polícia Civil de São José do Rio Preto, interior de São Paulo, identificou nesta quinta-feira (27) 12 pessoas de uma quadrilha de tráfico de drogas que era comandada de dentro de penitenciárias por integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Oito delas estavam presas e quatro foram detidas.

Nos últimos meses, a quadrilha teria comercializado mais de 1,5 tonelada de maconha, segundo a polícia. O bando era liderado por Carlos Roberto Souza, o Beto, que estava em liberdade, e por Rômulo Silva Costa, o Baixinho ou Lili, preso na Penitenciária de Junqueirópolis, e Valter Benedito de Oliveira, o Pequeno, detido na Penitenciária de Assis. Foi nessas duas penitenciárias que agentes da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) encontraram livros com a contabilidade do PCC e uma rede de telefones e nomes dos chefões da facção.

Segundo o delegado Donizete Curti, da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) de Rio Preto, Souza é acusado de ter coordenado os ataques do PCC em maio. Durante os ataques, um agente penitenciário que trabalhava no Instituto Penal Agrícola (IPA) foi assassinado a tiros.

Outras quatro pessoas – Elder Santos Ferreira, preso em Presidente Bernardes; Eduardo Rodrigues Filho, detido no CDP de Rio Preto; Rogério Rache, detido em Mirandópolis; e Elizandra Nogueira, presa na penitenciária de Sant’Ana, na capital – também foram formalmente acusadas de pertencer à quadrilha.