Mais uma pessoa foi incluída na lista de possíveis desaparecidos no desabamento que abriu uma cratera na obra do metrô próxima à Marginal Pinheiros, em São Paulo. Abigail Rossi de Azevedo, de 74 anos, não foi localizada desde o acidente e seu filho teme que ela estivesse na rua Capri no momento do desabamento.

Outros desaparecidos são o caminhoneiro Francisco Sabino Torres, que trabalhava na obra, e o condutor e o cobrador de uma van que passava na rua ao lado, Reinaldo Leite, de 44 anos, e Wescley da Silva, de 22. Além dos dois, segundo relatos de testemunhas, pelo menos duas pessoas estariam no veículo tragado pela cratera e até agora não localizado.

A mulher do caminhoneiro, Maria Sinhazinha Torres, esteve no canteiro neste Sábado. Segundo ela, o marido seguiu para o trabalho no canteiro de obras às 6h30 de sexta-feira e não voltou. Os colegas do motorista relataram que o viram ao lado do caminhão, o primeiro a ser engolido pela cratera, pouco antes do deslizamento.

Parentes e colegas do motorista e do cobrador da van permanecem no local e cobravam providências do prefeito Gilberto Kassab. Reinaldo Leite chegou a pedir socorro pelo rádio.

24 horas depois do acidente, os trabalhos de busca prosseguem em ritmo lento, com os bombeiros fazendo escavações manuais. Segundo os coordenadores do resgate, o risco de novos desabamentos dificultam a busca. Até a tarde deste sábado, ainda não havia sinal algum da van. Funcionários da cooperativa de transporte que opera o veículo, o sistema localizador GPS indica que a van estaria a mais de 20 metros de profundidade em algum ponto da Rua Capri.