Javier Soriano/AFP

Os “erros” do treinador Carlos Queiroz e a ‘invisibilidade’ da estrela Cristiano Ronaldo explicam a eliminação “lógica” de Portugal pela Espanha, na terça-feira pelas oitavas de final da Copa do Mundo (1-0), considerou nesta quarta-feira a imprensa lusitana.

“Portugal eliminado após um erro de Queiroz”, é a principal manchete do Diário de Notícias (DN), enquanto o Público se pergunta: “O que fizemos para merecer isto?”

“O grave erro de tirar de campo o atacante Hugo Almeida aos 58 minutos (13 do segundo tempo) abriu caminho para a eliminação pela Espanha”, indica o Correio da Manhã, considerando que “Ronaldo fez uma de suas piores partidas a serviço da seleção”.

O mesmo veredicto apresentou o Público, lembrando o treinador mais conhecido de seu país. “(José) Mourinho teria dito que Portugal não conquistaria o Mundial inclusive com um Ronaldo a mil por hora. Mas este nunca se aproximou a uma velocidade de cruzeiro”, ressalta um de seus editorialistas.

“Ronaldo apenas existiu”, insiste o DN, segundo o qual, Portugal foi comandado por “um treinador sem ambição”. “Honestamente, a equipe de Queiroz chegou até onde podia e merecia”, escreveu antes de concluir que “venceu a melhor equipe, com justiça e sem surpresa”.

O capitão português e estrela do Real Madrid “deixou este Mundial sem deixar rasto”, frisa o esportivo A Bola. Seu concorrente Record exibe uma foto de Cristiano Ronaldo com um gesto de descontentamento.

As fotos do goleiro Eduardo chorando após a derrota predominam nas primeiras páginas da imprensa portuguesa, que destaca a “atuação fantástica” do goleiro.

“Eduardo esteve genial, o placar teria sido mais elástico”, resume nas páginas do DN Domingos Paciência, treinador do Sporting de Braga.

“Eduardo, muito seguro, não merecia esta derrota”, destaca o Correio da Manhã, que fala em suas páginas do “final de um sonho” e da “enorme decepção que atravessa o país”.