O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) na economia do país ficou estável de maio para junho, depois de quatro meses de recuo. O índice ficou 0,1% abaixo do registrado em maio. Por ser tão pequena, a variação representa um quadro de estabilidade.

As informações foram divulgadas hoje (28) pela Fundação Getúlio Vargas e são resultado da Sondagem de Expectativas do Consumidor realizada mensalmente pela instituição. Os dados de junho mostraram que houve melhora na avaliação da situação atual, mas pioraram as expectativas do consumidor para os próximos seis meses.

O Índice da Situação Atual subiu 1,1% em relação ao mês passado. Entre os quesitos considerados, melhorou a avaliação dos consumidores sobre a situação econômica da cidade onde vivem.

O Índice de Expectativas, no entanto, caiu 0,8%. A parcela de consumidores que prevê comprar mais bens duráveis nos próximos seis meses teve redução de 8,7% para 8,2% e a proporção dos que planejam comprar menos aumentou de 32,8% para 34,8%.

A Sondagem de Expectativas do Consumidor é feita com base numa amostra de 2 mil domicílios em sete das principais capitais do país. Os dados foram coletados entre os dias 1º e 22 de junho.