O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) subiu 0,45% na semana até o dia 15, ante aumento de 0,57% apurado no indicador anterior, da semana até 7 de abril, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado divulgado ficou dentro das estimativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado, que esperavam um resultado entre 0,43% a 0,58%.

De acordo com a FGV, a desaceleração na taxa do IPC-S foi influenciada pela elevação mais fraca de preços no grupo Alimentação (de 1,49% para 0,89%). Das sete classes de despesa usadas para cálculo do índice, três registraram desaceleração de preços, no mesmo período. Além de Alimentação é o caso de Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,42% para 0,41%) e de Despesas Diversas (de 0,49% para 0,31%).

Outros três grupos apresentaram aceleração ou queda mais fraca de preços, no mesmo período. É o caso de Habitação (de 0,26% para 0,30%); Vestuário (de 0,29% para 0,79%); Educação, Leitura e Recreação (de -0,34% para -0,14%). Uma única classe de despesa permaneceu com a mesma taxa de elevação no período – no caso, Transportes (de 0,25%).

Ao analisar a movimentação de preços por produtos, a FGV apurou que as altas mais expressivas foram registradas em batata-inglesa (29,34%); gasolina (0,80%) e melancia (17,59%). Já as mais expressivas quedas de preço foram verificadas em cenoura (-15,35%); laranja lima (-12,81%) e sururu (-12,33%).