O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu 0,48% na semana até o dia 7 de março, ante variação de 0,34% apurada no indicador anterior, do período até 28 de fevereiro. A taxa de inflação divulgada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) ficou acima das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que esperavam um resultado entre 0 26% e 0,36%.

Segundo a FGV, a principal contribuição para o aumento da taxa partiu do grupo Alimentação. Das sete classes de despesa que formam o índice geral, esta foi a que registrou o maior avanço em sua taxa de variação, de 1,17% para 1,70%.

A única classe que apresentou indicador negativo foi a de Vestuário (-2,12%, ante -2,16% na semana anterior). O indicador de Habitação se manteve praticamente estável, passando de zero para 0,04%, bem como o de Despesas Diversas, que registrou a mesma variação de 0,26% da semana anterior.

Transportes teve uma desaceleração, de 0,57% para 0,31%, enquanto Saúde e Cuidados Pessoais, passou de 0,29% para 0,35%. Educação, Leitura e Recreação oscilou bem pouco, indo de 0,24% para 0,27%.

Segundo a FGV, as principais influências sobre o IPC-S esta semana partiram dos itens frutas (0,08% para 3,20%) e aves e ovos (1,16% para 2,79%). Dos 27 tipos de frutas pesquisadas, 16 registraram elevações em suas taxas, mostrando uma tendência bem disseminada de alta neste segmento, em que o mamão papaia (7,97% para 14%) foi o principal destaque.