O ?Instituto Pelé Pequeno Príncipe?, comandado pelo jogador Edson Arantes do Nascimento, poderá apoiar um projeto que envolve pesquisa científica e alta tecnologia, voltado para a saúde da criança e do adolescente. Detalhes do projeto e os recursos necessários para sua execução serão discutidos nesta terça-feira (07), em São Paulo, entre Pelé, o secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldair Rizzi, e diretores do Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba.

Segundo Rizzi, um dos projetos em discussão é o Geoquimed ? Sistema de Informações Geográficas para Pesquisa em Saúde, que está sendo proposto pelo ?Instituto Pelé Pequeno Príncipe? e o ?Instituto de Ensino Superior Hospital Pequeno Príncipe?. ?A pesquisa científica na área da saúde da criança e do adolescente é estratégica para o governo do Paraná?, afirmou Rizzi.

De acordo com o coordenador científico do ?Instituto Pelé Pequeno Príncipe?, o médico e pesquisador Bonald Figueiredo, o Geoquimed será o primeiro sistema virtual em geoprocessamento referenciado, o que significa integração entre vários bancos de dados de instituições de governo (Secretaria da Saúde, da Agricultura e de Meio Ambiente e Mineropar) e de pesquisa, contendo mapas e indicadores de saúde e doenças para uso de órgãos públicos e privados e usuários comuns. O projeto deverá ser executado num prazo médio de quatro anos.

Apoio

?A interação do ser humano com o ambiente onde ele vive pode resultar em doenças causadas por agentes biológicos, químicos e físicos?, comentou o coordenador científico do ?Instituto Pelé Pequeno Príncipe?. Segundo ele, a idéia é construir uma base permanente de dados e de pesquisa sobre agentes químicos de origem natural (geológicos) e os manipulados ou colocados pelo homem no meio ambiente de forma que se possa avaliar possíveis doenças em cada uma das regiões do Estado, entre vários outros aspectos.

Além desse projeto, o governo estadual já apoiou outros na área da saúde centrada na pesquisa e no desenvolvimento científico e tecnológico, sendo o mais recente deles o que trata do diagnóstico e tratamento de doenças do recém-nascido, coordenado pela Fundação ecumênica de Proteção ao Excepcional (Fepe), com o objetivo de evitar e prevenir deficiências e mortes prematuras.