A queda de investimentos e de exportações foi responsável pela desaceleração no crescimento do PIB no segundo trimestre, segundo a gerente de contas trimestrais do IBGE, Rebeca Tales. Para ela, além da queda registrada na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), as exportações de bens e serviços diminuíram o ritmo de expansão, enquanto as importações, que tem contribuição negativa para o PIB, cresceram.

De acordo com a gerente do IBGE, a desaceleração do PIB foi provocada por fatores como a continuidade da valorização do câmbio, com seu efeito acumulativo sobre a economia, além de problemas sazonais, como a greve na Receita Federal (que afetou o comércio exterior); a paralisação das plataformas da Petrobras; e a realização da Copa do Mundo.